Nível denotativo: significação da linguagem

Nível denotativo: significação da linguagem

A significação da linguagem em nível denotativo faz referência ao sentido que é atribuído a cada palavra, expressão ou frase dentro do texto. No caso da denotação, os termos são interpretados em um nível literal, factível, real, verídico, sem margens para compreensões mais lúdicas, metafísicas e abstratas dos vocábulos.

Do ponto de vista da interpretação dos textos, reconhecer se o autor utilizou ou não a significação denotativa para um termo permite a compreensão correta da mensagem. Afinal, reconhecer o sentido literal como não-literal ou vice-versa pode trazer um significado errôneo para todo o conteúdo apresentado.

Neste artigo, o Estratégia Vestibulares selecionou as principais informações que permitem caracterizar uma linguagem de sentido denotativo, com exemplos de textos que seguem essa estrutura, além de questões comentadas que permitem entender o assunto de maneira mais ampla e aplicada para o estudo pré-vestibular.

O que é significação da linguagem?

A significação da linguagem está relacionada à atribuição de sentido aos vocábulos falados ou escritos em um contexto específico. Na Língua Portuguesa, por exemplo, existem palavras que são escritas e faladas da mesma forma, mas podem admitir um significado diferente a depender da construção frasal, como em: “a manga rasgou-se ao meio quando o assaltante me puxou pela camisa.” e “estava comendo e rasguei a manga ao meio com os dentes, de tão deliciosa.”

Significação da linguagem em nível denotativo

O sentido denotativo da linguagem é o sentido mais real, objetivo, claro, direto da palavra dentro do contexto. Na denotação, não há margens para ambiguidades subjetivas ou interpretações de cunho mais metafórico.

As palavras devem ser interpretadas conforme seu significado no dicionário, assim, o contexto pode direcionar os sentidos reais e factíveis do termo, mas não há espaço para a interferência de significados figurados, como os que são muito explorados em poemas.

Nas duas frases de exemplo supracitadas, ambas utilizam a palavra manga com significado diferentes, mas são sentidos denotativos, porque “manga” pode ser, segundo o dicionário, tanto o nome de uma fruta comestível, como também a parte do vestuário. 

Principais usos da linguagem em nível denotativo

A denotação é muito explorada em textos que precisam transmitir as informações com objetividade, clareza, sem abrir caminhos para interpretações ambíguas e metafísicas sobre o conteúdo.

Matérias jornalísticas, por exemplo, precisam anunciar situações importantes do cotidiano sem que interpretações muito subjetivas sejam criadas. Há um cuidado especial para que as palavras assumam o significado mais literal possível, assim, evita-se que suspeitos sofram represálias pela população, que conteúdos que atestam atitudes políticas sejam enviesadas pela opinião do autor, entre outros exemplos.

As dissertações científicas também devem assumir a linguagem em seu sentido mais denotativo, literal e real possível. Afinal, as teses e dados defendidos ali podem ser utilizados para a compreensão da população, tratamento de doenças, adoção de políticas públicas ou outros usos que interferem direta ou indiretamente na humanidade. Assim, é necessário que haja o máximo de objetividade, sem espaço para subjetividade e duplos sentidos.

No caso de outros textos dissertativos-argumentativos, deve-se manter esse padrão. Por exemplo, um dos tópicos avaliados na redação do Enem, que segue esse modelo, é a linguagem, objetividade e clareza empregados pelo vestibulando, que interferem diretamente na interpretação do texto. A melhor escolha, no geral, é partir para o âmbito denotativo, de forma que os sentidos mais figurados sejam utilizados de maneira extremamente seletiva e bem elaborada.

Significação da linguagem em nível denotativo e função da linguagem

À medida que um texto é escrito, a linguagem cumpre uma função de transmitir a mensagem. Nesse sentido, é possível que ela atenda ao papel de ser mais emotiva, pode-se utilizar as palavras para discutir o sentido de outras palavras, pode ser manejada para expressar sentimentos, entre outras possibilidades. 

Diante desse contexto, a linguagem denotativa geralmente se associa com a função referencial. Nessa classificação, as palavras atendem ao papel de transmitir a informação de maneira direta e objetiva, algo que também é observado na denotação. 

Assim, a função referencial também está presente em manchetes jornalísticas, textos científicos e outros materiais argumentativos e objetivos. De forma que função referencial da linguagem e escritos denotativos são temas que se relacionam entre si.

+ Veja também: Interpretação de textos teóricos e científicos: como fazer?

Questão sobre significação da linguagem

Unicamp 2012 (adaptada)

O parágrafo reproduzido abaixo introduz a crônica intitulada “Tragédia concretista”, de Luís Martins.

O poeta concretista acordou inspirado. Sonhara a noite toda com a namorada. E pensou: lábio, lábia. O lábio em que pensou era o da namorada, a lábia era a própria. Em todo o caso, na pior das hipóteses, já tinha um bom começo de poema. Todavia, cada vez mais obcecado pela lembrança daqueles lábios, achou que podia aproveitar a sua lábia e, provisoriamente desinteressado da poesia pura, resolveu telefonar à criatura amada, na esperança de maiores intimidades e vantagens. Até os poetas concretistas podem ser homens práticos.

(Luís Martins, Tragédia concretista, em As cem melhores crônicas brasileiras. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007, p. 132.)

a) Compare lábio e lábia quanto à forma e ao significado. Considerando a especificidade do poeta, justifique a ocorrência dessas duas palavras dentro da crônica.

Resposta: As duas palavras são classificadas como substantivos, sendo um masculino (lábio) e o outro feminino (lábia). Dessa forma, o que modifica sensivelmente as duas palavras é o fato de que uma não é contraparte de gênero da outra, mas apresentam significados distintos. 

Lábios são uma parte do corpo que fica na face, em sentido denotativo, já o termo lábia refere-se à capacidade de convencimento e persuasão por meio da linguagem. Ou seja, usar a lábia é usar a linguagem para convencer alguém de alguma coisa, como apresentado no texto em questão. Os lábios carnais da namorada chamam a atenção, e o narrador se mostra uma pessoa com grande capacidade persuasiva.

+ Veja também: Denotação e Conotação: qual a diferença?

Estude mais com a Coruja!

O Estratégia Vestibulares é uma plataforma de estudo com milhares de questões de vestibulares respondidas de todo o País. O Banco de Questões abrange todas as disciplinas, com resolução de professores especialistas e muitos vídeos explicativos. 

Nos cursos preparatórios da Coruja, você terá acesso a aulas específicas, de acordo com o conteúdo programático de cada disciplina, com material didático de qualidade, em diferentes plataformas multimídias. Clique no banner abaixo e saiba mais!

CTA - Estratégia Vestibulares 2
Você pode gostar também
vir ou vier
Leia mais

Vir ou vier: qual é a diferença?

O termo “vir” é, muitas vezes, usado incorretamente no lugar no verbo "vier"; aprenda a diferença entre esses termos e aprimore sua gramática e vocabulário