Enem terá duas fases e questões dissertativas, propõe CNE

Enem terá duas fases e questões dissertativas, propõe CNE

Documento elaborado pelo CNE será enviado ao ministro da Educação; veja quais são as mudanças propostas para o Enem a partir de 2024

A Veja divulgou nesta terça-feira (07) que teve acesso ao texto aprovado pela Conselho Nacional de Educação (CNE) que visa reformular o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que será chamado de Novo Enem.

A mudança seria uma consequência do modelo Novo Ensino Médio, que será implementada obrigatoriamente em todas as escolas a partir de 2022. No novo modelo, os anos finais da Educação Básica terão apenas uma base comum e disciplinas chamadas de Itinerários Formativos, assim o aluno poderá escolher qual área profissional tem mais afinidade. As alterações para o Enem são previstas para 2024.

A redação do Estratégia Vestibulares entrou em contato com o Inep, órgão responsável pela organização da prova, e com o Ministério da Educação (MEC) para confirmar as informações, mas até o momento não houve retorno.

Veja também: Enem 2021 - veja modelo redação nota mil proposto pelo Estratégia Vestibulares
enem

Possíveis alterações no Enem

Para se adequar à nova realidade dos estudantes brasileiros, a proposta da Comissão Especial do CNE divulgada pela Veja visa adaptar o modelo de prova. Veja quais são as alterações indicadas:

Prova com duas fases

A prova passaria a ter duas fases, sendo a primeira obrigatória e comum a todos e com aplicação da redação, avaliando Linguagens, Língua Inglesa e Leitura. Já a segunda etapa seria dividida em quatro áreas de carreiras profissionais, são elas:

  • Ciências, tecnologia, engenharia e matemática: classificaria alunos para os cursos de engenharia, química, matemática, física e computação, entre outros.
  • Ciências sociais aplicadas: classificaria alunos para cursos de economia, administração, contabilidade, ciências sociais, direito, entre outros.
  • Humanidades, Linguagens e Artes: classificaria alunos para cursos de filosofia, história, geografia, artes, letras, pedagogia, entre outros.
  • Ciências biológicas e saúde: classifica alunos para cursos de medicina, enfermagem, fisioterapia, biologia, meio ambiente, entre outros

“A segunda etapa do Enem deverá avaliar os itinerários formativos do Ensino Médio, observando os eixos estruturantes dos itinerários e o aprofundamento das competências e habilidades da BNCC pelos estudantes em suas áreas de interesse relacionados ao seu projeto de vida e sua opção de estudos em nível superior”, recomendaria uma das relatoras no documento.

Com isso, caberia às universidade e instituições de ensino definir como seria utilizada o resultado do exame para a seleção via programas do governo como, por exemplo, o Sistema de Seleção Unificada (Sisu).

Questões dissertativas

Além das conhecidas questões objetivas, os candidatos também terão que responder a questões dissertativas. Esse modelo foi desenhado a partir da análise dos exames de seleção das universidades de diversos países, tais como, Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido e China.

“Observou-se um certo consenso acerca da necessidade de incluir questões dissertativas no exame para avaliar uma formação com ênfase no desenvolvimento de competências como propõe a Base Nacional Comum Curricular”, explica trecho do documento divulgado pela Veja.

Correção da prova

Para diminuir os custos e permitir a divulgação dos resultados em um prazo menor, a Comissão sugere a utilizar recursos de Inteligência Artificial. Além disso, os especialistas consultados pelo CNE também propõem a manutenção do uso da Teoria de Resposta ao Item (TRI)

“É apresentado um item a ele, a partir da resposta é feito o cálculo da proficiência, que elege o item seguinte. O estudante vai percorrendo os itens até que se chegue à proficiência”, aponta trecho do documento.

Com esses recursos, isso poderia diminuir o número de questões pela metade. Porém, para que isso ocorra, a prova precisaria ser digital para todos os inscritos e as perguntas do exame não poderiam ser publicadas. Isso ocorreria porque a pouca reserva de itens é um dos principais pontos de atenção do Enem, e a solução seria ampliar o banco permitindo a aplicação em mais de uma edição da prova.

Mais de uma aplicação por ano

Outra sugestão do CNE é a aplicação do Enem em três datas diferentes a cada ano. Essa ação faria com que a quantidade de inscritos por edição diminuísse, o que também permitiria que o estudante tivesse uma nova chance de ingressar na faculdade a cada quatro meses.

Para os especialistas consultados, o Enem deve seguir o modelo do Pisa, um exame internacional aplicado nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que avalia a qualidade da educação ao redor do mundo.

De acordo com a Veja, o texto foi aprovado pela Comissão Especial do CNE e será encaminhado para o Ministério da Educação para validação do ministro.

Professoras do Estratégia Vestibulares comentam sobre as supostas propostas de mudança do Enem

O que é o Enem?

Desenvolvida pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio de Teixeira (Inep), a prova foi aplicada pela primeira vez em 1998 com o objetivo de avaliar a qualidade de educação no País.

Com o passar dos anos, o exame foi ficando cada vez mais complexo e, em 2009, após uma reformulação feita pelo Ministério da Educação, a prova finalmente se tornou na maior plataforma de acesso ao Ensino Superior brasileiro.

Onde usar a nota do Enem?

A nota do Enem pode garantir ingresso em universidades públicas, privadas e até mesmo em instituições do exterior:

  • Sistema de Seleção Unificada (Sisu): programa de acesso a todas as universidades e institutos federais brasileiros e também para diversas outras universidades estaduais.
  • Programa Universidade Para Todos (Prouni): programa do governo que oferece bolsas de estudo de 50% e 100% em faculdades e universidades privadas brasileiras para estudantes do Ensino Médio público.
  • Fundo de Financiamento Estudantil (Fies): programa voltado para o financiamento das mensalidades em faculdades e universidades privadas.
  • Enem Portugal: uma parceria do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio de Teixeira com o Ministério da Educação português. Atualmente, mais de 50 universidades portuguesas aceitam a nota do Enem como forma de ingresso.

Guia do Enem

Você sabia que o Enem é o segundo maior vestibular do mundo? A prova perde apenas para o Gaokao, da China. Ou seja, essa é uma das maiores oportunidades para conseguir a sua vaga dos sonhos em uma universidade, seja ela pública ou privada. 

Para te ajudar, o Blog do EV desenvolveu o Guia do Enem, com tudo o que você precisa saber sobre a sobre a prova; desde a inscrição, o que estudar, possíveis temas de redação e até indicações de onde você pode usar a sua nota para conquistar o sonho de ingressar em uma universidade de qualidade. 

Veja algumas das informações que você encontrará no Guia do Enem:

  • Enem Impresso x Enem Digital
  • Calendário do Enem
  • TRI: como funciona a nota do Enem
  • Checklist: veja o que mais cai no Enem por disciplina
  • Como desenvolver repertório sociocultural para a redação?
  • Exemplos de redação nota 1.000
Estratégia Vestibulares cursos
Você pode gostar também