Dia do soldado: 9 questões sobre guerras que caíram nos vestibulares

Dia do soldado: 9 questões sobre guerras que caíram nos vestibulares

Confira 9 questões sobre guerras para você treinar suas capacidades extraídas do Banco de Questões do Estratégia Vestibulares

Hoje (25/08), comemora-se o Dia do Soldado, data que homenageia o nascimento do Marechal Luís Alves de Lima e Silva, conhecido também como Duque de Caxias. Ele é o patrono do Exército Brasileiro e dentre suas alcunhas, foi chamado também de “o pacificador”, por controlar diversas rebeliões contra o Império.

Inscreva-se em nossa newsletter🦉

Receba dicas de estudo gratuitas e saiba em primeira mão as novidades sobre o Enem, Sisu, Encceja, Fuvest e outros vestibulares!

A data também celebra a atividade de soldado do Exército, que é o posto inicial da hierarquia militar no Brasil. Para comemorar a data, o Portal Estratégia Vestibulares listou 9 questões sobre guerras que caíram nos vestibulares brasileiros e foram extraídas do nosso Banco de Questões. Confira!

Universidade Presbiteriana Mackenzie (2011)

Questões políticas, ideológicas, religiosas e étnicas transformaram a Iugoslávia num barril de pólvora. Os Bálcãs foram palco dos mais violentos conflitos europeus após a II Guerra Mundial, onde cerca de 250 mil pessoas morreram, vitimadas pelas guerras dos últimos dez anos. Assinale a alternativa que apresenta o nome dos três principais conflitos que ocorreram na Região, na última década.

A) Guerra dos Seis Dias, Guerra do Yom Kippur e Guerra da Intifada.
B) Guerra da Criméia, Guerra da Macedônia e Guerra da Eslováquia.
C) Guerra da Eslovênia, Guerra da Chechênia e Guerra do Azerbaijão.
D) Guerra do Golfo, Guerra do Afeganistão e Guerra Irã-Iraque.
E) Guerra da Croácia, Guerra da Bósnia e Guerra do Kosovo.

Resposta: os três conflitos surgiram como desmembramento e crise do Estado multiétnico da Iugoslávia.

Alternativa correta = E

Uerr (2019)

Em novembro de 2018, completam-se cem anos do final da Primeira Guerra Mundial. Algumas das consequências do terrível conflito marcaram o mundo contemporâneo. Leia o texto a seguir:

“A Grande Guerra foi um terremoto. No meio do conflito, em 1917, estourou a revolução que pôs fim à monarquia dos Romanov na Rússia. Finlândia, Estônia, Letônia e Lituânia ganharam independência do desfeito império czarista – enquanto a União Soviética se preparava para espalhar a revolução pelo resto do mundo. Dos escombros do Império Austro-Húngaro nasceram a Iugoslávia e a Tchecoslováquia – que ao longo do século 20 se desmembrariam em Sérvia, Croácia, Bósnia, Kosovo, Montenegro, República Tcheca e Eslováquia.

No Oriente Médio, as províncias do Império Otomano viraram butim dos vencedores. Ingleses e franceses inventaram as fronteiras de Síria, Líbano, Iraque, Palestina e Jordânia. Alguns dos conflitos que assolam o mundo até hoje foram plantados na época – como a guerra entre Israel e os palestinos.

Além disso, a Grande Guerra viu o surgimento de um novo poder global. […] Quando a guerra terminou, em 1918, o século de Washington havia começado”
(disponível em https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/historiahoje/primeira-guerra-mundial-luta.phtml. Acessado em 27/9/2018).

Assinale a única alternativa verdadeira.

A) Entre as grandes potências que se enfrentaram na Primeira Guerra Mundial, a Itália e o Império Otomano eram as mais industrializadas, enquanto a Inglaterra e Alemanha encontravam-se entre as mais atrasadas economicamente.
B) Armas químicas, aviões, submarinos estavam entre os armamentos que foram utilizados no conflito europeu entre 1914 e 1918 sem, no entanto, ter qualquer papel relevante na época nem ter afetado as populações civis.
C) Os bloqueios navais não interferiram no abastecimento de alimentos nas grandes cidades europeias, razão pela qual não se verificaram protestos de civis ou soldados contra a guerra em nenhum dos países envolvidos.
D) O período que antecedeu a Primeira Guerra Mundial, entre 1870 e 1914, conhecido como Belle Époque (Bela Época, em francês), pode ser associado a um período relativamente pacífico na Europa ocidental, a um acelerado progresso técnico, industrial e científico, mas também a uma corrida armamentista entre grandes potências imperialistas – a chamada “paz armada”.
E) A Primeira Guerra Mundial caracterizou-se somente pela tática da guerra de movimento, ao contrário da Segunda Guerra Mundial, na qual a tática predominante foi a guerra de trincheiras.

Resposta: A alternativa D é correta, a Belle Époque foi um período de crescimento burguês na Europa, associado a transformações culturais e políticas. É também conhecida como “Era dos Impérios”, em que o nacionalismo chauvinista e tendências imperialistas das potências levaram a choques e posteriormente à Primeira Guerra Mundial. 

Alternativa correta = D

UFRGS (2015)

Em 1942, o governo brasileiro decretou estado de guerra contra a Alemanha e a Itália, enviando, em 1944, tropas para o continente europeu. 

Com relação à participação brasileira na Segunda Guerra Mundial, é correto afirmar que

A) a experiência da Força Expedicionária Brasileira (FEB), durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918), foi decisiva para o sucesso da expedição brasileira.
B) a tomada de Monte Castello, na Itália, foi a principal conquista militar realizada pelos pracinhas da FEB.
C) o Brasil, durante o período em que permaneceu neutro em relação aos conflitos, não permitiu a instalação de bases militares norte-americanas em seu território.
D) a participação do Brasil na guerra, contra os regimes nazifascistas, estava em consonância com a forma de governo democrática assumida por Getúlio Vargas, desde 1937.
E) a participação do Brasil junto aos aliados concedeu ao país um assento permanente no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas.

Alternativa correta = B

Unesp (2021)

Para responder à questão, leia o texto extraído da primeira parte, intitulada “A terra”, da obra Os sertões, de Euclides da Cunha. A obra resultou da cobertura jornalística da Guerra de Canudos, realizada por Euclides da Cunha para o jornal O Estado de S.Paulo de agosto a outubro de 1897, e foi publicada apenas em 1902.

Percorrendo certa vez, nos fins de setembro [de 1897], as cercanias de Canudos, fugindo à monotonia de um canhoneio¹ frouxo de tiros espaçados e soturnos, encontramos, no descer de uma encosta, anfiteatro irregular, onde as colinas se dispunham circulando um vale único. Pequenos arbustos, icozeiros² virentes viçando em tufos entremeados de palmatórias³ de flores rutilantes, davam ao lugar a aparência exata de algum velho jardim em abandono. Ao lado uma árvore única, uma quixabeira alta, sobranceando a vegetação franzina.

O sol poente desatava, longa, a sua sombra pelo chão e protegido por ela — braços largamente abertos, face volvida para os céus — um soldado descansava.

Descansava… havia três meses.

Morrera no assalto de 18 de julho [de 1897]. A coronha da Mannlicher⁴ estrondada, o cinturão e o boné jogados a uma banda, e a farda em tiras, diziam que sucumbira em luta corpo a corpo com adversário possante. Caíra, certo, derreando-se à violenta pancada que lhe sulcara a fronte, manchada de uma escara preta. E ao enterrarem-se, dias depois, os mortos, não fora percebido. Não compartira, por isto, a vala comum de menos de um côvado de fundo em que eram jogados, formando pela última vez juntos, os companheiros abatidos na batalha. O destino que o removera do lar desprotegido fizera-lhe afinal uma concessão: livrara-o da promiscuidade lúgubre de um fosso repugnante; e deixara-o ali há três meses – braços largamente abertos, rosto voltado para os céus, para os sóis ardentes, para os luares claros, para as estrelas fulgurantes…

E estava intacto. Murchara apenas. Mumificara conservando os traços fisionômicos, de modo a incutir a ilusão exata de um lutador cansado, retemperando-se em tranquilo sono, à sombra daquela árvore benfazeja. Nem um verme — o mais vulgar dos trágicos analistas da matéria — lhe maculara os tecidos. Volvia ao turbilhão da vida sem decomposição repugnante, numa exaustão imperceptível. Era um aparelho revelando de modo absoluto, mas sugestivo, a secura extrema dos ares.
(Os sertões, 2016.)

¹ canhoneio: descarga de canhões.
² icozeiro: arbusto de folhas coriáceas, flores de tom verde-pálido e frutos bacáceos.
³ palmatória: planta da família das cactáceas, de flores amarelo-esverdeadas, com a parte inferior vermelha, ou róseas, e bagas vermelhas.
⁴ Mannlicher: rifle projetado por Ferdinand Ritter von Mannlicher.

Anteriormente ao texto transcrito, Euclides da Cunha menciona a existência de “higrômetros inesperados e bizarros” na paisagem. Constitui exemplo de higrômetro inesperado e bizarro no texto transcrito:

A) a disposição geográfica das colinas.
B) a ação dos vermes a decompor o cadáver.
C) o corpo abandonado do soldado.
D) a quixabeira solitária, cercada por vegetação franzina.
E) a secura extrema dos ares.

Alternativa correta = C

ITA (1995)

“The defenders of Normandy were not the best of Hitler’s army. Those were in Russia and Italy, as well as in France, but on the other side of the Seine, the Pas-de-Calais, which the Germans thought the more likely invasion target. Most of the soldiers of the Seventh Army in Normandy belonged to static divisions. They were …(I)….. too old o …(II)…. too young for the war elsewhere, or had been wounded, or were not German at all but Soviet Central Asians who preferred ….(III)…. coat ….(IV)…. in a prison camp.”
(extracted from TIME – June 6, 1994)

O pronome demonstrativo “those”, sublinhado no texto, faz referência aos:

A) soldados escalados para a defesa da Normandia.
B) soldados soviéticos da Ásia Central.
C) soldados mais adestrados do exército de Hitler.
D) soldados das divisões estacionárias.
E) soldados russos, italianos e franceses. 

Alternativa correta = C

UFPR (2016)

Segundo a historiadora Regina da Luz Moreira, “o retorno dos contingentes da FEB precipitou (…) a queda de Vargas em 1945”.
(CPDOC. Disponível em: <http://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/FatosImagens/FEB>).

Assinale a alternativa que justifica a declaração acima, relacionando a atuação do Brasil, por meio da Força Expedicionária Brasileira (FEB), na Segunda Guerra Mundial com o primeiro governo de Getúlio Vargas (1930-1945).

A) Ao lutar pela democracia e contra os fascismos na Europa com a FEB, o governo de Vargas perdeu apoio interno ao manter o regime autoritário.
B) Ao lutar pela democracia e derrotar os fascismos na Europa, os pracinhas conquistaram apoio popular para derrubar a ditadura de Vargas.
C) Ao derrubar o regime franquista na Espanha, os soldados brasileiros inspiraram a população a lutar por eleições, após 15 anos de Estado Novo.
D) Ao derrotar os fascistas na Batalha de Monte Castelo na Itália, a FEB conquistou o apoio norte-americano para derrubar a ditadura de Vargas.
E) Ao lutar pela libertação dos povos europeus, o governo brasileiro esgotou seus recursos financeiros no Exército, precipitando a queda de Vargas.

Resposta: A alternativa A é correta, após o fim da Segunda Guerra Mundial criou-se um dilema na sociedade brasileira, havia-se lutado pela democracia e pelo fim do autoritarismo no contexto europeu, mas no contexto brasileiro, mesmo após o fim do conflito, vivia-se um regime também autoritário. Fato que provocou uma série de manifestações e precipitou a queda do Estado Novo.

Alternativa correta = A

IFPR (2018)

Quase dois anos após a implantação da República, o Brasil não estava pacificado, nem o regime consolidado. Entre 1892-95, os gaúchos vivenciaram a Revolta Federalista, um conflito armado envolvendo latifundiários e estancieiros, quando mais de doze mil combatentes foram mortos. De um lado estavam os pica paus (usavam quepe em forma de uma ave bicuda), defensores de Castilho e do presidencialismo fortalecido, enquanto do outro, estavam os federalistas, chamados de maragatos (alguns eram uruguaios, descendentes de espanhóis de Maragateria, estabelecidos em solo riograndense) sob a liderança do comandante Gumercindo Saraiva. Devido à gravidade, o conflito adquiriu âmbito nacional, ameaçando, além do poder estadual, o próprio regime republicano, por isso Floriano Peixoto enviou tropas legalistas contra os inimigos que, fugindo ao cerco, se deslocaram para o norte do estado, alcançando depois Santa Catarina e Paraná, onde foram detidos, frustrando sua tentativa de chegar à capital da República. Assinale a alternativa que apresenta o nome da forte resistência aos federalistas e que deu a vitória aos legalistas.

A) Cerco da Misericórdia.
B) Cerco de Canudos.
C) Cerco da Lapa.
D) Cerco das Araucárias.

Alternativa correta = C

Unespar (2015)

A Guerra do Paraguai que se estendeu de 1864 a 1870, chamada entre os paraguaios de Grande Guerra ou de Guerra da Tríplice Aliança, reuniu o Brasil, a Argentina e o Uruguai, na Tríplice Aliança, contra o Paraguai. Sobre as consequências da guerra é correto afirmar que:

A) Ao terminar a guerra, o Paraguai se encontrava arrasado, perdera a maior parte do seu exército e grande parte da sua população. A maioria dos sobreviventes eram velhos, mulheres e crianças;
B) A Guerra do Paraguai não foi muito prejudicial para o Paraguai, pois o país continuou como Estado independente e sua economia prosperou após a guerra;
C) O Brasil foi o país mais prejudicado com a Guerra do Paraguai, por ter a maior perda de população por ocasião das batalhas ou em função de doenças que se espalharam;
D) A Argentina perdeu grande parte do seu território para o Brasil e o Paraguai, tendo que pagar indenizações a estes dois países;
E) O aumento do território do Uruguai ocorreu em função da participação decisiva na guerra, ao integrar o exército da Tríplice Aliança com grande contingente de soldados, o que levou à derrota do Paraguai.

Resposta: A alternativa A está correta. A guerra foi devastadora para o Paraguai, porque este perdeu a maior parte do seu exército e de sua população. A economia foi arrasada, já que a nação sofreu grandes danos materiais, afetando a atividade produtiva. A maior parte dos sobreviventes eram velhos, mulheres e crianças.

Alternativa correta = A

Uefs (2014)

O espírito belicoso do “big stick” tem reemergido, na contemporaneidade, em diversos momentos da política externa norte-americana, como se pode perceber

A) a guerra contra o Irã, em retaliação à ocupação da embaixada norte-americana por terroristas islâmicos.
B) no apoio dos Estados Unidos à perseguição aos guerrilheiros do Talebã, realizado pela URSS, no Afeganistão.
C) na dominação militar do Kuweit por tropas norte-americanas, objetivando montar bases para a ocupação do Iraque.
D) na invasão do Iraque, com o objetivo subliminar de controlar a produção de petróleo da região.
E) na destituição de governo do Paquistão por soldados norte-americanos, na caça a Osama Bin Laden.

Resposta correta = D

Estude com o Estratégia Vestibulares

O Estratégia oferece uma série de opções para você estudar e passar no vestibular que tanto sonha. Temos cursos intensivos, extensivos, Banco de Questões completo, Fórum de Dúvidas, materiais digitais, videoaulas e muito mais! Confira agora e seja mais um estrategista.

CTA - Estratégia Vestibulares 4
Você pode gostar também