Período Joanino: o que foi, transformações e importância

Período Joanino: o que foi, transformações e importância

Período Joanino é o nome dado para a época histórica em que Dom João VI, rei de Portugal, se instalou com a corte portuguesa no Brasil e determinou diversas transformações na sociedade e cidades do território. Continue lendo para saber mais características e ações do monarca do Brasil, além de acompanhar a resolução de uma questão de vestibular sobre o assunto.

O que foi o Período Joanino?

O Período Joanino começou com a vinda da família real portuguesa para o Brasil, no ano de 1808. A Corte precisou mudar-se de Portugal porque não aceitava o Bloqueio Continental imposto por Napoleão Bonaparte. 

Esse Bloqueio determinava que os países europeus não poderiam manter relações com a Inglaterra, por outro lado, os portugueses mantinham fortes conexões com os ingleses. Por isso, em vez de seguir as ordens napoleônicas, Dom João VI e toda a família real se transferiu para o Brasil, especificamente na cidade do Rio de Janeiro. 

+ Veja mais: Era Napoleônica: o que é e principais acontecimentos

O início do Período Joanino

Desde 1500, o Brasil foi uma colônia de Portugal e, portanto, era tratado dessa forma. Ou seja, o território não possuía as regalias e as luxuosidades que eram comuns na metrópole portuguesa. Então, quando toda a família real veio para as regiões brasileiras, foram necessárias adaptações para a permanência deles aqui.

Estudos apontam que juntamente com o rei e a família real, vieram milhares de portugueses para habitar a colônia sul-americana. Cerca de 10 mil pessoas precisavam ser confortavelmente abrigadas no território colonial. 

Nesse sentido, já durante a viagem, Dom João VI encarregou-se de trazer vários itens importantes para a corte portuguesa, como obras literárias e artes plásticas. Objetos que demonstravam a cultura lusitana, mas também tinham um valor para a estrutura de poder hierárquico dos portugueses. 

É importante mencionar que a viagem marítima intercontinental não foi realizada tranquilamente. Os navegantes passaram por grandes tempestades. Relata-se, inclusive, que em um dos temporais o grupo de embarcações se separou, então, uma parte desembarcou no nordeste brasileiro, enquanto a outra chegou primeiro ao sudeste.

Embora o rei também tenha passado pelo porto salvadorenho, seu destino final foi o Rio de Janeiro. Antes da chegada do rei, a capital do Brasil era Salvador, na Bahia. Com a mudança para o Rio, a cidade precisava modernizar-se para abrigar confortavelmente todos os colonizadores e tornar-se a sede do território brasileiro.

Inclusive, durante a estadia da coroa no Brasil, o território foi promovido a Reino Unido de Portugal e Algarves. Isso permitia que o rei governasse das Américas, sem a necessidade de se deslocar para a Europa. Essa foi mais uma das justificativas para implementar melhorias e transformações no Brasil em meio ao Período Joanino.

Transformações do Período Joanino

Economia

Além de todas as alterações estruturais no território para a confortável chegada dos novos moradores, o Período Joanino está cercado de transformações implementadas por Dom João VI, que favoreceram o Brasil. 

A primeira medida empregada pelo governante foi a Abertura dos Portos às Nações Amigas, com isso, era possível que o Brasil realizasse transações comerciais com outros países, que não só Portugal. Na época isso significava uma aproximação com a Inglaterra, principalmente. 

Note que tal ação finda o pacto colonial, que trata sobre a exclusividade de comercialização entre colônia e metrópole. Essa é a primeira medida com impacto considerável para o período colonial brasileiro. Além disso, houve um crescimento significativo das cidades portuárias e suas vizinhanças, que eram requisitadas pela intensa atividade comercial por via marítima. 

Por outro lado, a abertura dos portos à Inglaterra abriu precedentes para uma massiva influência inglesa sobre a economia brasileira. Além de impostos e taxações, a entrada de produtos britânicos enfraquece as manufaturas brasileiras, o que resultou em atraso no desenvolvimento do Brasil. 

Instituições e infraestrutura

Para os cariocas, as transformações sociais e de infraestrutura foram expressivas. Foi construída a Biblioteca Real, repleta de obras e escritos clássicos. Também foi criada a primeira gráfica do país, de onde emergiu o primeiro jornal, chamado de A Gazeta do Rio de Janeiro. 

Em termos de instituições financeiras, a Casa da Moeda e o Banco do Brasil são frutos do Período Joanino. Além disso, houve o nascimento da Academia Real Militar e a construção do Jardim Botânico. 

Cultura e artes

Em termos de artes, João VI e seus companheiros foram responsáveis por trazer a Missão Artística Francesa. Um grupo de artistas franceses que viajaram ao Brasil para ensinar artes, desenvolvendo a cultura da colônia que havia ganhado o status de capital. O grupo francês também foi responsável por criar uma instituição para o ensino de arte acadêmica que, futuramente, tornou-se na Imperial Academia e Escola de Belas-Artes. 

Entre eles estava Jean Baptiste-Debret, um pintor e professor que se destacou em sua missão e ficou conhecido por representar o Brasil a partir de um olhar próprio, individual e subjetivo. Confira uma de suas obras abaixo.

Obra de Debret, artista do período joanino
Aclamação de D. Pedro II no Rio de Janeiro
Imagem: Reprodução/Wikimedia

Relações externas

A relação do Brasil com as outras nações durante o Período Joanino é marcada por campanhas militares fronteiriças, em busca de mais territórios. Entre eles, Caiena, a capital da Guiana Francesa, que foi conquistada em conjunto por ingleses e portugueses, ficando sob domínio de D. João VI. Mas foi retomada à França após o Congresso de Viena, que buscou restaurar o globo para suas configurações anteriores à ascensão de Bonaparte. 

Foi durante a época Joanina, também, que a Província Cisplatina foi dominada pelo Brasil. Os portugueses consideravam que a região tinha valor econômico e posicionamento estratégico para proteger os territórios de invasões. Entretanto, a população cisplatina não contentou-se com tal dominação e conseguiram independência alguns anos depois, unindo-se ao Uruguai.

Como terminou o Período Joanino

Enquanto D. João VI implantou melhorias e investimentos no território brasileiro, os portugueses que estavam em Portugal julgavam-se abandonados pelo monarca. Após sofrerem ataques napoleônicos e serem defendidos pelos os britânicos, os lusitanos eram comandados pela Inglaterra.

Além disso, atravessavam uma crise econômica pós guerra, perderam a exclusividade comercial com o Brasil, entre outros fatores que tornavam a nação cada vez mais enfraquecida. Nesse sentido, surgiu um movimento liberal conhecido como Revolução do Porto. Eles reivindicavam o retorno do rei para Portugal, o estabelecimento de uma monarquia constitucional e a recolonização do Brasil.

Com a pressão no continente europeu, o rei voltou para Portugal. Então deixou seu filho primogênito, Dom Pedro I, responsável por prosseguir a monarquia em território Brasileiro. Então, encerra-se o Período Joanino e inicia-se o Primeiro Reinado, momento em que o Brasil tornou-se uma nação independente. 

Questão sobre Período Joanino

(URCA/2021) 

Os conflitos europeus do início do século XIX, notadamente entre França e Inglaterra, ocasionaram a fuga da Família Real Portuguesa para o Brasil. Quando Napoleão Bonaparte decretou o Bloqueio Continental, que proibia os países da Europa de comercializarem com a Inglaterra, Portugal não aderiu. Diante das ameaças inglesas e da iminente invasão francesa, a escolha da Coroa Portuguesa foi vir para a colônia, com o apoio da frota naval da Inglaterra. Este acontecimento histórico foi marcado também pela mudança nas relações entre a metrópole e a colônia. 

Já no Brasil, em 28 de janeiro de 1808, o príncipe regente D. João decretou a Abertura dos portos “às nações amigas”.

Esta medida é considerada importante para os destinos da colonização portuguesa na América e para a posterior independência do Brasil porque:

a) Mantinha o monopólio comercial dos mercadores portugueses e reforçava o “pacto colonial”.

b) Aumentava a influência francesa sobre o Brasil, pois os comerciantes franceses foram os principais beneficiados.

c) Favorecia a industrialização da colônia, com a entrada de capitais externos.

d) Acabava com o monopólio português, permitindo aos colonos comercializarem diretamente com os países aliados a Portugal, o que feria a ideia de “pacto colonial”.

e) Proibia o tráfico internacional de escravos para o Brasil.

Gabarito: alternativa D

Questão clássica sobre a Era Joanina. Aborda as medidas de Dom João VI. que influenciaram o processo de independência e menciona, ao final do texto, a abertura dos portos às nações amigas. O comando pede que se identifique porque isso ajudou na independência. Vejamos cada uma delas para encontrar a relação entre a abertura dos portos e a independência do Brasil.

As outras opções estão erradas porque: 

  • A abertura dos portos significou o fim do pacto colonial.
  • O principal parceiro de Portugal era Inglaterra e foi este país que se beneficiou do fim do exclusivo metropolitano.
  • A industrialização foi prejudicada pelos privilégios da Inglaterra que, a essa altura da história (início do século XIX) já era uma potência industrial.
  • Não há relação com a questão da escravidão. A proibição do tráfico de escravizados ocorreu apenas em 1850, com a Lei Eusébio de Queiroz.

Estude mais com a Coruja!

O Estratégia Vestibulares é uma plataforma de estudo com milhares de questões de vestibulares respondidas de todo o País: o Banco de Questões abrange todas as disciplinas, com resolução de professores especialistas e muitos vídeos explicativos. 

Nos cursos preparatórios da Coruja, você terá acesso a aulas específicas, de acordo com o conteúdo programático de cada disciplina, com material didático de qualidade, em diferentes plataformas multimídias. Clique no banner abaixo e saiba mais!

CTA Último lote EV
Você pode gostar também