Mitose: o que é, fases e características

Mitose: o que é, fases e características

A mitose é um processo de divisão celular, a principal forma de manutenção do nosso corpo. É por meio dela, por exemplo, que nossa pele se renova diariamente para manter sua integridade e sobreviver às pequenas agressões que acontecem. 

O processo mitótico por completo pode ser dividido em diferentes fases, que levam em consideração as alterações que ocorrem no citoplasma, organelas e material genético da célula. Neste artigo, você pode conhecer a mitose, as fases e as características dessa divisão celular equitativa.

O que é mitose?

Mitose é a divisão de uma célula, em termos de citoplasma, núcleo e organelas. Mas, ao final do processo, a célula nova será igual à célula original. Isso acontece porque todos os conteúdos da primeira célula são multiplicados e depois divididos em duas células filhas. 

Esse mecanismo acontece apenas em células eucariontes, que possuem núcleo organizado com carioteca, membrana plasmática, organelas membranosas, material genético (que pode ser RNA ou DNA), além de outros componentes. 

É um dos processos mais importantes para a sobrevivência dos seres vivos. Por exemplo, a mitose permite que os tecidos sejam reconstituídos depois de cortes e lesões, com a formação de diversas células filhas para suprir a necessidade observada naquele organismo. 

Nos seres humanos e outras espécies que fazem reprodução sexuada, a mitose não participa do processo de formação dos gametas. Mas em seres vivos unicelulares que se reproduzem pela divisão de células, a mitose é a forma mais tradicional de perpetuação da espécie.

Fases da mitose

Ao estudar com mais afinco a mitose, os biólogos observaram que ela acontece em etapas. Os critérios utilizados para a divisão do processo mitótico em diferentes fases são baseados no comportamento do citoplasma, núcleo, material genético e organelas em determinada parte do mecanismo.

São descritas quatro fases principais da divisão celular: prófase, metáfase, anáfase e telófase. Depois de concluída, é formada a célula filha que entra em um ciclo celular, na fase de intérfase — quando ela não está em divisão citoplasmática, e atua simplesmente para cumprir sua função no organismo, por exemplo a produção de colágeno pelos fibroblastos. 

Intérfase

ciclo celular
Imagem: Reprodução/Wikimedia

A interfase pode ser definida como o período entre duas divisões celulares, como se fosse um intervalo. Nesse momento, a principal atividade da célula é cumprir a função para que foi formada, na subfase chamada de G1. 

Em G1, a célula faz a transcrição de RNA para formar proteínas, que são constitutivas de tecido ou fazem parte do metabolismo celular e corporal. Por exemplo, há formação de proteínas que fazem a sinalização de como está o organismo para dentro de uma célula. Ou ainda, constituição de moléculas proteicas como a hemoglobina, que tem a função de transportar oxigênio pelo corpo humano.

Em um dado momento, os sinais do organismo indicam que aquela célula deve entrar em um processo de mitose. Então, é necessário que a célula se prepare e sintetize materiais para que a mitose ocorra perfeitamente, formando duas estruturas idênticas a si mesma no final do processo. 

Chega-se, portanto, à subfase S da intérfase, quando o material genético da célula é duplicado e os centríolos também. Essa organela será importante para a separação desses cromossomos em dois citoplasmas, mais adiante no processo mitótico.

Depois, inicia-se a subfase G2, quando a própria célula monitora seu funcionamento e avalia se os cromossomos se multiplicaram corretamente. Se tudo ocorreu bem, ela também aumenta em tamanho, para que possa começar a próxima fase. 

Algumas células nunca passarão pelo processo de mitose, porque são essencialmente únicas — grande parte dos neurônios funcionam assim, por isso os danos nervosos são quase sempre irreversíveis. Nesse caso, o metabolismo celular fica na subfase G0 e nunca sai da intérfase. 

Prófase

Trata-se da fase mais longa da mitose, quando toda a estrutura se prepara para a divisão que está por vir. É necessário que o núcleo esteja desorganizado e seu envoltório seja aberto, para que o material genético seja acessado com maior facilidade pelas organelas que concluirão a separação dos cromossomos. 

Nesse sentido, o DNA que foi multiplicado durante a fase S da intérfase precisa passar por uma condensação. Afinal, quanto menor a molécula, mais fácil será a sua segregação entre as células filhas.

Algumas organelas da célula formam vesículas dentro do citoplasma, elas ficam armazenadas ali para serem separadas entre os citoplasmas. Os centríolos, por sua vez, estão duplicados e se localizam em polos opostos, de forma que possam puxar o material genético em duas porções distintas, na próxima fase. Para isso, formam-se microtúbulos formados por proteínas que podem se alongar para “captar” os cromossomos, como veremos adiante. 

Metáfase

metáfase da mitose
Imagem: Reprodução/Wikimedia

Agora que toda a célula e seus componentes estão preparados para a divisão do material genético, é importante que os cromossomos condensados e compactados sejam localizados exatamente no meio da célula, região também chamada de polo equatorial. 

Ao microscópio eletrônico é possível observar que cada cromossomo possui duas cromátides, ou seja, formam um X. Os microtúbulos começam a se relacionar com essas cromátides, em uma estrutura chamada de cinetocoro. 

Anáfase

anáfase
Imagem: Reprodução/Wikimedia

Com tudo pronto e os microtúbulos bem prendidos às cromátides, finalmente, os cromossomos serão divididos em duas partes diferentes — as fibras que prendem o material genético encolhem, como que puxando-o. Então, cada cromátide do cromossomo se direciona para um polo da célula.

Telófase

fim da télofase, na mitose
Imagem: Reprodução/Wikimedia

Com o material genético já corretamente dividido, a célula começa a restituir membranas, organelas e o envoltório nuclear para cada um dos polos. Ao mesmo tempo, ocorre a divisão citoplasmática (citocinese), que dá origem às duas células filhas únicas e exatamente iguais à estrutura celular original.

Questão sobre mitose

(UFSM-RS/2016) Um bioquímico mediu a quantidade de DNA em células cultivadas em laboratório e verificou que a quantidade de DNA na célula duplicou:

a) entre as fases G1 e G2 do ciclo celular.
b) entre a prófase e a anáfase da mitose.
c) durante a metáfase do ciclo celular.
d) entre a prófase I e a prófase II da meiose.
e) entre a anáfase e a telófase da mitose.

Estude para o Enem com a Coruja!

Estudar a vida biológica, todas as suas características em cada filo animal e vegetal e como eles se desenvolveram evolutivamente, como suas células se relacionam e quais são os processos macro e microscópicos garantem a vida é essencial para um boa prova na área das ciências da natureza. Assim como entender bem matemática, os princípios químicos e os físicos é determinante para a área de exatas e a literatura e interpretação textual, para linguagens e suas tecnologias.

Por saber de tudo isso, o Estratégia Vestibulares traz esse panorama e conteúdos nas disciplinas, em diferentes aulas, que te direcionam para a realização de uma prova com maior embasamento teórico e interpretativo. Clique no banner e conheça mais vantagens dos cursos da Coruja!

CTA - Estratégia Vestibulares 4
Você pode gostar também
Leia mais

Biologia animal: filos do Reino Animalia

A biologia divide os seres vivos em vários reinos, que possuem características em comum, como plantas, bactérias, fungos,…