Escansão: como contar sílabas poéticas?

Escansão: como contar sílabas poéticas?

Os poetas clássicos buscavam a beleza das poesias não somente pela temática ou conteúdo dos textos, mas também por sua forma, disposição estética, sonoridade e um processo rigoroso de construção visual. Para isso, duas ferramentas essenciais eram a escansão e a métrica poemática.

Com elas, é possível construir versos que possuam exatamente o mesmo número de sílabas poéticas. Assim, as estrofes ficam quase que alinhadas visualmente, ao mesmo tempo em que a sonoridade adquire um ritmo único, harmônico. 

Neste texto, você encontra informações sobre processo de metrificação e escansão, além de aprender conceitos essenciais para esse estudo, como as sílabas poéticas. Depois, veja um exemplo de poesia escrita com essas técnicas e a resolução de uma questão de vestibulares sobre o assunto. Leia mais.

O que é escansão?

Basicamente, a escansão é o processo de contar as sílabas poéticas de um texto. A escansão é realizada por versos e, geralmente, os autores definem previamente quantas sílabas querem construir em cada linha do poema. 

É uma ferramenta útil, também, quando o poeta decide escrever um texto de forma fixa, como os sonetos e as odes. Nos sonetos, por exemplo, é preconizado que haja duas estrofes com quatro versos cada (quartetos) e duas estrofes com três versos cada (tercetos). Além disso, é necessário que cada um desses versos sejam decassílabos, ou seja, apresentem dez sílabas poéticas. 

“Quando da bela vista e doce riso
Tomando estão meus olhos mantimento,
Tão enlevado sinto o pensamento,
Que me faz ver na terra o Paraíso.

Tanto do bem humano estou diviso,
Que qualquer outro bem julgo por vento;
Assi que, em caso tal, segundo sento,
Assaz de pouco faz quem perde o siso.

Em vos louvar, Senhora, não me fundo,
Porque quem vossas cousas claro sente,
Sentirá que não pode conhecê-las.

Que de tanta estranheza sois ao mundo,
Que não é de estranhar, Dama excelente,
Que quem vos fez fizesse céu e estrelas.”

Escansão: sílabas poéticas

A escansão é realizada a partir da contagem de sílabas poéticas e, isso deve ser levado em consideração para a montagem dos versos. Afinal, o conceito de sílabas poéticas é consideravelmente diferente das sílabas gramaticais, que geralmente são ensinadas no processo de alfabetização.

Na escansão, há um objetivo maior de construir uma sonoridade harmônica para os versos. Então, a musicalidade e a forma como as palavras se unem entre si do ponto de vista auditivo são muito importantes.

Por isso, as sílabas poéticas são definidas conforme o som de cada palavra. Para realizar a escansão, inclusive, é necessário estar à par dos conhecimentos de fonemas e sílabas tônicas, porque são muito explorados no fazer poemático.

Como fazer a escansão?

Uma vez que o processo de escansão é baseado na sonoridade das palavras e como elas se relacionam entre si, a melhor forma de aplicar essa técnica é emitindo sons. Ou seja, ao escandir um verso, fale-o em voz alta. 

Por exemplo, duas vogais podem formar uma única sílaba poética, mesmo que estejam em palavras diferentes. Isso acontece porque a sonoridade delas é a mesma, então não há um novo movimento sonoro para o desenvolvimento do verso. 

Na frase “ele não sabe o que estou fazendo”, o som da vogal “e” é contínuo entre as palavras “que” e a palavra “estou”. Na escansão dessa frase, eles apareceriam juntos como sílabas poéticas. 

No caso dos ditongos, que são definidos gramaticalmente, eles sempre formam uma única sílaba poética. Por fim, é necessário lembrar que a contagem de sílabas poéticas de um verso acaba na sua sílaba tônica. Ou seja, não importa quantas sílabas venham após a tônica da última palavra! 

“As armas e os barões assinalados,
Que da ocidental praia Lusitana,
Por mares nunca de antes navegados,
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados,
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo reino, que tanto sublimaram.”

O poema acima, “Os Lusíadas”, de Luís de Camões, é uma leitura clássica em Língua Portuguesa. No primeiro verso, a última palavra (“assinalados”) é uma paroxítona, com a sílaba tônica “la” e esse é o limite da escansão. 

Depois, é preciso pronunciar as partes do texto para construir a sonoridade e separar as sílabas. Note que, entre uma palavra e outra pode existir uma vogal final + vogal inicial que permita a união sonora, então, basicamente o escandir do primeiro verso será:

As / ar / mas / e os/ ba / rões / as / si / na / la / dos

Para finalizar o processo, contamos cada sílaba separada desde a primeira até a tônica da última palavra, nesse caso, são 10 sílabas poéticas. Note que, em geral, a divisão será feita com base na gramática, mas as peculiaridades da escansão devem ser levadas em consideração, sempre. Por exemplo em “e os”, uma vez que a sequência de vogais propiciou um som contínuo (tente falar o verso em voz alta em casa) e eles não separados. 

Classificações na escansão

Uma vez que é possível contar o número de sílabas poéticas de um verso, também foi criada uma classificação e nomenclatura para as estruturas mais usadas. Em geral, os versos decassílabos são os mais famosos, com um total de 10 sílabas poéticas.

1 sílaba poéticaMonossílabo
2 sílabas poéticasDissílabo
3 sílabas poéticasTrissílabo
4 sílabas poéticasQuadrissílabo
5 sílabas poéticasPentassílabo (também chamado de Redondilha Menor)
6 sílabas poéticasHexassílabo
7 sílabas poéticasHeptassílabo (também chamado de Redondilha Menor)
8 sílabas poéticasOctossílabo
9 sílabas poéticasEneassílabo
10 sílabas poéticasDecassílabo
11 sílabas poéticasHendecassílabo
12 sílabas poéticasDodecassílabo
De 13 sílabas poéticas em dianteBárbaro

Existem, ainda, poemas que evitam a metrificação e a escansão. São as chamadas poesias em versos brancos, em que a preocupação do autor se afasta da questão padronizada, para adicionar mais liberdade em seus escritos. Foi um estilo muito utilizado durante o Modernismo no Brasil.

Questão de vestibulares

Unesp/2011 

Com base na letra da toada Boiadeiro, de Armando Cavalcante (1914-1964) e Klecius Caldas (1919-2002):

Boiadeiro

     De manhãzinha, quando eu sigo pela estrada
Minha boiada pra invernada eu vou levar:
     São dez cabeças; é muito pouco, é quase nada
     Mas não tem outras mais bonitas no lugar.

5 Vai boiadeiro, que o dia já vem
    Leva o teu gado e vai pensando no teu bem.

De tardezinha, quando eu venho pela estrada,
    A fiarada tá todinha a me esperar
   São dez filinho, é muito pouco, é quase nada,
10 Mas não tem outros mais bonitos no lugar.

Vai boiadeiro, que a tarde já vem
     Leva o teu gado e vai pensando no teu bem
E quando chego na cancela da morada,
     Minha Rosinha vem correndo me abraçar.
15 É pequenina, é miudinha, é quase nada
     Mas não tem outra mais bonita no lugar.

     Vai boiadeiro, que a noite já vem,
Guarda o teu gado e vai pra junto do teu bem!

(Armando Cavalcante e Klecius Caldas. Boiadeiro. In: Beth Cançado. Aquarela brasileira, vol. I. Brasília: Editora Corte Ltda., 1994. p. 59.)

A toada Boiadeiro, de Armando Cavalcante e Klecius Caldas, notabilizada pela interpretação de Luiz Gonzaga em 1950, tem sua letra elaborada em versos de doze e de dez sílabas métricas. Observe com atenção os seguintes versos na letra da toada:

I. Vai boiadeiro, que o dia já vem,

II. A fiarada tá todinha a me esperar;

III. Vai boiadeiro, que a tarde já vem

IV. É pequenina, é miudinha, é quase nada

Dos versos indicados, os que apresentam dez sílabas métricas são apenas:

a) I e II.

b) I e III.

c) II e III.

d) I, II e III.

e) II, III e IV

Alternativa correta: B

Estude mais com a Coruja!

O Estratégia Vestibulares é uma plataforma de estudo com milhares de questões de vestibulares respondidas de todo o País. O Banco de Questões abrange todas as disciplinas, com resolução de professores especialistas e muitos vídeos explicativos. 

Nos cursos preparatórios da Coruja, você terá acesso a aulas específicas, de acordo com o conteúdo programático de cada disciplina, com material didático de qualidade, em diferentes plataformas multimídias. Clique no banner abaixo e saiba mais!

CTA - Estratégia Vestibulares 4
Você pode gostar também
arcadismo
Leia mais

Arcadismo: características e autores

Conheça o Arcadismo, um movimento literário do século XVIII que esteve presente no Brasil e muito influente em Minas Gerais!