Embriologia humana: fases e formação do corpo

Embriologia humana: fases e formação do corpo

Para os mais curiosos, a formação do corpo humano em apenas nove meses pode ser instigante, afinal de contas, são muitas as mudanças, que vão desde a fecundação, até o nascimento do bebê. Para explicar a composição e desenvolvimento do feto, a embriologia humana utiliza estudos químicos, biológicos e físicos.

Se você quer aprender mais sobre esse assunto e se aprofundar na biologia embrionária, acompanhe o artigo a seguir. Confira também o exercício de vestibular resolvido pela equipe do Estratégia para te ajudar  na preparação pré-prova.

Inscreva-se em nossa newsletter🦉

Receba dicas de estudo gratuitas e saiba em primeira mão as novidades sobre o Enem, Sisu, Encceja, Fuvest e outros vestibulares!

O que é a embriologia humana?

A embriologia humana é a área que estuda a formação do indivíduo desde o momento em que os gametas se encontram — a fecundação —, até o ponto em que o bebê está pronto para nascer — o parto.

Dessa forma, as divisões e multiplicações celulares, o arranjo e a diferenciação das células estão englobados no estudo da embriologia humana. 

Além de simplesmente explicar os mecanismos de desenvolvimento humano, a embriologia é importante para a investigação das malformações e doenças congênitas.

Com o desenvolvimento das tecnologias, ainda, essa área da ciência e medicina pode se dedicar aos processos de fertilização artificial, que tem ajudado diversas pessoas a realizarem o sonho de ser progenitores biológicos.

Ainda, é importante ressaltar que o estudo embrionário está diretamente relacionado com a ciência genética, identificação de padrões hereditários e reconhecimento da prevalência de doenças ou deformações nos diferentes grupos sociais.

Fases da embriologia humana

O desenvolvimento de um novo ser humano passa por diferentes fases, nas quais predominam processos de multiplicação celular, diferenciação celular ou maturação das estruturas. Cada uma dessas etapas está descrita nos tópicos abaixo, acompanhe!

Clivagem

Quando o espermatozoide encontra o óvulo no trato reprodutor feminino, ocorrem alterações na membrana celular de ambas as células e elas se fusionam — esse é o zigoto ou ovo, a primeira ocorrência diplóide do corpo humano.

A partir de então, o zigoto é submetido ao processo de segmentação ou clivagem celular, no qual acontecem mitoses numerosas.. Ao final do processo, surge um aglomerado de células embrionárias. 

Geralmente durante a clivagem a estrutura não aumenta em volume, apenas o número de componentes celulares (blastômeros) é alterado. Além do mais, durante esse processo surge uma cavidade denominada blastocele, onde um líquido chamado de vitelo se instala. 

O ovo humano possui uma pequena quantidade de vitelo, distribuído de maneira uniforme — isso favorece uma divisão mitótica mais igualitária, bem racionada,com células de tamanho e concentração regulares.

O tempo gestacional em que ocorre o processo de segmentação é o período pré-embrionário, que se estende desde a fecundação até a 2ª semana de gestação. Essa época é conhecida como período do “tudo ou nada”, de forma que erros nas divisões celulares podem ser determinantes para a interrupção natural da gravidez.

+ Veja mais: Embriogênese: conceitos e características

Gastrulação

Nessa etapa da embriologia humana, o aglomerado de células já está implantado no endométrio.Por meio de uma camada chamada de trofoblasto, o blastômero interage com o útero feminino e pode se fixar nele.

Em meio a gastrulação, os eixos corporais do embrião são definidos e surgem folhetos germinativos: o epiblasto e o hipoblasto. Esses tecidos são chamados germinativos porque pertencem ao embrião mas não aparecem no indivíduo adulto.

Nessa fase, a cavidade blastocele é substituída por um precursor do sistema digestório: o arquêntero ou intestino primitivo. Assim como no tubo digestório humano, ele se comunica com o meio externo por meio de abertura, o blastóporo, que originará o ânus.

Diferentemente da fase anterior, na gastrulação o embrião cresce em termos de volume celular e na diferenciação de suas estruturas. Inclusive, as ultrassonografias que buscam descobrir o gênero biológico do bebê ocorrem já nessa fase.

A gastrulação ocorre no período embrionário, entre a 3ª e a 8ª semana gestacional. É nesse período que o embrião tem maiores chances de sofrer anomalias, visto que suas células estão em constante diferenciação e uma alteração pode ser permanente

Organogênese

A organogênese é a etapa da formação humana em que os tecidos embrionários se empenham na composição dos órgãos e sistemas necessários para a sobrevivência de um adulto.

Os folhetos germinativos agora são denominados por ectoderme, que está mais externo, endoderme, que se comunica com o meio interno e mesoderme, que fica no meio dos outros dois.

Cada um deles é responsável pela formação de diferentes estruturas que, quando conectadas, formam uma fisiologia equilibrada e anatomia semelhante, na maioria dos casos.

O ectoderme forma, principalmente, a pele e seus anexos, o revestimento de grande parte das estruturas internas e externas, o sistema nervoso, a retina, a neuro-hipófise e estruturas ósseas da face. 

Inclusive, teorias apontam que o sistema nervoso precisa fazer a intermediação entre o meio interno e externo, ao receber e enviar os impulsos elétricos, por isso sua origem embrionária é ectodérmica.

O endoderma está relacionado com a formação do trato urinário, do sistema respiratório, do epitélio digestivo, do pâncreas e das glândulas salivares. Por fim, o mesoderma se relaciona com a formação dos músculos, do sistema cardiovascular e do sistema genital.

É importante ressaltar que algumas estruturas humanas só concluem seu desenvolvimento após o nascimento. Os pulmões, por exemplo, passam a fazer trocas gasosas apenas quando a criança vem ao mundo. Inclusive, é o primeiro contato dos pulmões com o ar que ocasiona dor e, consequentemente, o choro do bebê ao nascer.

O período em que ocorre a organogênese é a mais longa fase gestacional: se inicia na 9ª semana e se estende até o momento do parto. É conhecido como fase fetal e é muito importante para o crescimento do feto em tamanho, espessura e peso.

Confira o vídeo de Biologia para Vestibulares

Questão de embriologia humana no vestibular

Resolva a questão a seguir, que trata sobre a embriologia humana e a relação dos folhetos germinativos. Confira também o gabarito e resolução propostos pelo Estratégia.

Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) — 2018

No bloco superior abaixo, estão citados os três folhetos embrionários de mamíferos; no inferior, exemplos de epitélios.

Associe adequadamente o bloco inferior ao superior.

1. Ectoderme
2. Mesoderme
3. Endoderme

(     ) Epitélio da membrana que envolve o coração (pericárdio).
(     ) Epitélio que reveste o tubo digestório (exceto boca e ânus).
(     ) Epiderme.
(     ) Pulmões (epitélio respiratório).

A sequência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é

a) 1 – 3 – 2 – 3.
b) 3 – 1 – 2 – 3.
c) 2 – 1 – 3 – 3.
d) 3 – 3 – 1 – 2.
e) 2 – 3 – 1 – 3.

Todo o sistema cardiovascular tem origem mesodérmica. O epitélio do sistema digestório é originado de endoderma, assim como o epitélio respiratório. Por fim, a epiderme possui origem embrionária na ectoderme. 

Com base nesses argumentos o preenchimento das lacunas tem a seguinte ordem: 2, 3, 1, 3 — como mostra a alternativa E.

Veja mais de embriologia com o Estratégia Vestibulares

Com os cursos preparatórios do Estratégia, você terá uma gama repleta de aulas de biologia, nas quais você aprenderá a formação e desenvolvimento dos seres vivos. Além disso, caso restem dúvidas, você pode saná-las no fórum de dúvidas. Clique no banner abaixo e confira.

EV - CTA Campanha Volta às Aulas - Último Lote

Veja também:

Você pode gostar também