Orações coordenadas: o que são, tipos, como identificar e questões

Orações coordenadas: o que são, tipos, como identificar e questões

Na gramática, as orações podem ser classificadas em coordenadas ou subordinadas, conforme o grau de dependência que apresentam. As orações que se relacionam por coordenação são sintaticamente independentes entre si. 

Se você quer entender melhor o conceito de oração coordenada, aprender como identificá-las, quais são os tipos e como eles aparecem em questões de vestibulares, com resolução completa, continue lendo este artigo. 

Inscreva-se em nossa newsletter🦉

Receba dicas de estudo gratuitas e saiba em primeira mão as novidades sobre o Enem, Sisu, Encceja, Fuvest e outros vestibulares!

O que são orações coordenadas?

A principal característica das orações coordenadas é a sua independência sintática em relação a outras orações. O sentido delas é completo, não precisam de acessórios para transmitir uma mensagem. Veja alguns exemplos:

“Casamos, amamos, vivemos e morremos.”

Observe como cada um dos verbos têm sentido em si mesmos e podem trazer um significado, mesmo que não sejam completados por outras orações. “Casamos” refere-se ao ato de casar, abordando a primeira pessoa do plural, no tempo passado — estrutura semelhante se repete nas orações coordenadas que concluem a frase de exemplo.

“Fui ao mercado e comprei chocolate”

A construção da frase permite que “fui ao mercado” seja sintaticamente isolado de “comprei chocolate” sem que haja prejuízo no sentido das orações. Essa é a comprovação de que essa é uma oração do tipo coordenada. 

A seguir, acompanhe a diferença entre as orações subordinadas e coordenadas. Depois, aprenda sobre os diferentes tipos de coordenação em períodos compostos.

Diferença entre orações coordenadas e subordinadas

As orações subordinadas são aquelas que dependem entre si para completar a ideia principal — muitas vezes uma oração explica a outra, se opõe a ela, entre outras relações. Se escrevermos uma dessas orações soltas em um papel, por exemplo, elas não fazem o mínimo sentido sintático.

Perceba que a definição acima é oposta ao que vimos anteriormente a respeito das orações coordenadas. Já que a coordenação permite uma independência entre as orações que formam o período composto. 

Veja exemplos:

  • Coordenação
    • Não tenho vontade de sair, correr ou brincar.
    • Quero estar com você, quero amar, quero viver.
  • Subordinação
    • Não tenho vontade de sair porque estou cansada;
    • Tudo que eu quero é estar com você.

Veja também: Conjunções subordinativas: conceito, classificação e exemplos práticos

Tipos de orações coordenadas

As orações coordenadas são divididas em dois grandes grupos: as assindéticas e as sindéticas, que se diferenciam pela presença ou não de conjunções. 

Coordenadas assindéticas

São orações que estão em um período composto, com relação independente entre si e justapostas. Isso significa que não haverá nenhum conectivo ou palavra que as una.

A relação de sentido entre elas existe, mas não há um termo que faça essa ponte. Ela acontece de maneira natural, por meio do contexto da frase. Acompanhe algumas frases de modelo:

  • Corri desesperada para ele, abracei-o;
  • Não sabia o que fazer, chorei;
  • Me lembrei dos meus propósitos, prossegui;
  • Não conseguia falar, me afoguei aos risos, me rendi ao amor.

Coordenadas sindéticas

O termo síndeto, nos dicionários, é definido como a presença de uma conjunção coordenativa unindo duas orações. Então, coordenadas sindéticas apresentam conectivos ou locuções conjuntivas, que podem alterar o sentido da mensagem, como veremos na classificação abaixo:

Aditiva

Quando a ideia de uma oração é somada à outra, por meio da conjunção. Geralmente, os conectivos são “e, nem, mas também, mas ainda, assim, como, não só isso…”. Veja exemplos:

  • Corri desesperadamente e o abracei;
  • Sabia o que dizer e sabia como dizer;
  • Gosto de namorar, como gosto de boas companhias, entre outros.

Adversativa

As orações são coordenadas que podem se opor umas às outras. Assim, o termo “adversativa” faz referência a um contraste de ideias. 

As conjunções mais frequentes são: mas, contudo, porém, no entanto, todavia, entretanto, entre outras. Acompanhe a aplicação desse conceito:

  • Te amo, todavia, não aceito falta de educação;
  • Quero correr, no entanto, tenho medo de cair;
  • Suas atitudes, porém, degradam a todos os presentes.

Conclusiva

Como supõe o nome, orações coordenadas conclusivas trazem a ideia de conclusão à mensagem. Aparecem, com frequência, conjunções como: portanto, por fim, logo, então, por conseguinte, pois, entre tantas outras. 

  • Te amo, portanto, quero estar contigo;
  • Amar é uma escolha, logo, escolho estar com você;
  • São amigos, logo irão passear juntos;
  • Acabamos de pintar as paredes, consequentemente, não podemos encostar nas paredes da casa.

Alternativa

As orações coordenadas sindéticas do tipo alternativa são aquelas que mostram uma escolha entre algumas opções, geralmente. É característica a presença de termos como “ou…ou”, “ora…ora” e “quer …. quer”. 

  • Ou você ama, ou você odeia;
  • Ora te quero, ora te repulso;
  • Quer queira, quer não queira, vamos viajar!

Explicativa

Como demonstra o nome, a oração coordenada sindética explicativa serve para elucidar uma ideia que foi apresentada pela outra oração da frase. Elas são muito tipicamente utilizadas em textos didáticos ou argumentativos, para deixar todas as mensagens bem claras para o entendimento do leitor. 

As conjunções mais comuns são: ou seja, isto é, porque, pois, na verdade, a saber, entre outras. Veja o uso:

  • A água é polar, porque sua geometria é angular;
  • O magnetismo da Terra é invertido, ou seja, o polo norte magnético é o polo sul terrestre;
  • Ele vai passar no vestibular, pois tem estudado muito!

Veja mais: Gramática: tipos, divisões e características da Língua Portuguesa

Questão de vestibular sobre orações coordenadas

(Fuvest) Dentre os períodos transcritos abaixo, um é composto por coordenação e contém uma oração coordenada sindética adversativa. Assinalar a alternativa correspondente a esse período.

a) A frustração cresce e a desesperança não cede.

b) O que dizer sem resvalar para o pessimismo, a crítica pungente ou a auto absolvição?

c) É também ocioso pensar que nós, da tal elite, temos riqueza suficiente para distribuir.

d) Sejamos francos.

e) Em termos mundiais somos irrelevantes como potência econômica, mas ao mesmo tempo extremamente representativos como população.

O enunciado pede que encontremos um período composto, ou seja, que possua duas orações. Se cada oração deve conter um verbo, então veremos dois verbos (mesmo que de forma oculta).

O segundo critério será encontrar uma oração coordenada sindética adversativa. Na prática isso significa que as duas orações não podem depender sintaticamente uma da outra — têm sentido completo sem a necessidade da outra como complemento. 

A questão de ser sindética adversativa traz a ideia de oposição entre as duas orações coordenadas. O termo “mas” é quem confere esse sentido, quando opõe a questão demográfica com a economia: “Em termos mundiais somos irrelevantes como potência econômica, mas ao mesmo tempo (somos) extremamente representativos como população.”

Estude para o vestibular com o Estratégia Vestibulares!

Além de todos os recursos didáticos expositivos, como aulas gravadas, conteúdos digitais, pdfs com as disciplinas e fórum de dúvidas, na Coruja você tem correção ilimitada de redação. Os corretores são especialistas no assunto e ajudarão nos tópicos que você tem mais dificuldade. Clique no banner abaixo e conheça mais!

CTA - Estratégia Vestibulares 2

Veja também:

Você pode gostar também
Texto Expositivo - Estratégia
Leia mais

Texto Expositivo: estrutura e exemplos

Geralmente as aulas, seminários, palestras e congressos transmitem um conhecimento e demonstram sua aplicação no dia a dia.…