Mesopotâmia: quem foram, civilização, características e muito mais

Mesopotâmia: quem foram, civilização, características e muito mais

A Mesopotâmia é uma região que abrigou algumas das civilizações hidráulicas da antiguidade. Marcada por características culturais importantes, o local está relacionado com os primórdios da astronomia, com a divisão temporal, com as técnicas de agricultura e o desenvolvimento de religiões de relevância até os dias atuais. 

Continue lendo este artigo e conheça melhor a Mesopotâmia e sua localização. Aprenda também sobre sociedade, política, cultura e os povos antigos que habitavam a região. Ao final, você terá uma questão sobre esse tema, que aparece com frequência nos vestibulares. Acompanhe!

Inscreva-se em nossa newsletter🦉

Receba dicas de estudo gratuitas e saiba em primeira mão as novidades sobre o Enem, Sisu, Encceja, Fuvest e outros vestibulares!

O que é Mesopotâmia?

A palavra “Mesopotâmia” é de origem grega e quer dizer “terra entre rios”. O termo faz referência à localização, entre o rio Tigre e o rio Eufrates, que ficam no Oriente Médio. Acredita-se que o local tem grande importância na constituição da humanidade, como um dos berços da civilização humana. 

A região que antigamente era chamada de Mesopotâmia, hoje é território do Iraque e algumas porções do Irã e da Jordânia. Observe o mapa atualizado do espaço.

Mesopotâmia - área do mapa
Imagem: Reprodução/Google Maps

O espaço mesopotâmico era, em geral, um território de passagem, onde os povos se estabeleceram por pouco tempo. Isso explica a quantidade de sociedades e populações que transitaram por lá, como os sumérios, os acádios, os assírios e os babilônios.

Esses povos perderam seu protagonismo na história quando foram derrotados pelos persas em 539 a.C. Apesar disso, a trajetória dos mesopotâmios é marcada por homens guerreiros que buscavam expandir domínio sobre as terras vizinhas. 

História da Mesopotâmia

A região mesopotâmica está entre os espaços da Crescente Fértil, território com clima quente e seco, mas composto por rios caudalosos que favoreciam o plantio, a colheita, o abastecimento humano e o transporte de pessoas e/ou mercadorias.

Além da Mesopotâmia, o Egito também é uma civilização que se desenvolveu em torno do Rio Nilo, mesmo que em meio a uma paisagem desértica.

A relação desses povos com os rios e a força que essas sociedades têm até os dias atuais impressiona estudiosos e curiosos até os dias de hoje. Alguns pesquisadores apelidaram essas populações de “civilizações hidráulicas” ou “civilizações do regadio”.

O espaço mesopotâmico está relacionado com o processo de sedentarização dos seres humanos, quando o homem deixou de ser nômade e passou a desenvolver atividades como agricultura, pecuária, caça e coleta. 

A partir desses conhecimentos, pouco a pouco, os povos começaram a entender que se conhecessem bem a natureza, a água e os recursos naturais, poderiam desenvolver técnicas de plantio e sobrevivência.

Nesse sentido, a Mesopotâmia representa o avanço gradual do homem, o surgimento das primeiras barreiras de contenção (para que os rios não invadissem as plantações, inundando-as) e o desenvolvimento das primeiras cidades. Assim, a sociedade humana atual só existe devido à bases firmadas desde a Antiguidade, no Oriente Médio.

+ Veja também: História Geral: panorama histórico e principais temas

Povos da Mesopotâmia

Sumérios

O primeiro povo que se estabeleceu na região foram os sumérios, para garantir a estabilidade, desenvolveram técnicas de irrigação. Observa-se que as atividades comerciais eram realizadas com o que sobrava da produção agrícola, depois que a população já estava abastecida. 

Além desses feitos, os sumérios também utilizavam uma forma de escrita própria da antiguidade, a escrita cuneiforme. Essa ferramenta comunicativa era empregada, principalmente, na documentação de ritos religiosos e das realizações políticas. Por fim, os sumérios foram derrotados pelos acádios. 

Acádios

Os acadianos foram responsáveis por unificar as civilizações que viviam no território entre os rios Tigre e Eufrates. Mesmo tão antigos na história, o domínio realizado respeitou as diferenças de cada povo, permitindo a manifestação cultural deles. 

Babilônios

Depois do estabelecimento acadiano, somente os amoritas conseguiram derrotá-los. Esse povo ficou conhecido como babilônios, porque construíram um império com o nome de “Babilônia”, que é reconhecido mundialmente.

Entende-se que esta civilização foi responsável por criar o primeiro código de leis escritas da história da humanidade. Era o Código de Hamurabi, que regia os acontecimentos na região mesopotâmica.

Uma lei desse documento ficou famosa com a determinação “olho por olho, dente por dente”, a Lei de Talião. A frase indica que as punições aplicadas deveriam ser equivalentes ao dano causado pelo infrator.

Houve ainda uma segunda fase do Império Babilônico, que foi fundado pelos caldeus. Esse governo tem seu apogeu com o reinado do Rei Nabucodonosor, que é citado na Bíblia e famoso pela construção dos jardins suspensos da Babilônia e a Torre de Babel. 

Esse império teve grande êxito expansionista e conquistou, inclusive, a cidade de Jerusalém, tão importante para as três religiões monoteístas mais famosas do mundo: o cristianismo, o judaísmo e o islamismo. 

O Segundo Império da Babilônia foi o último povo e civilização que se estabeleceu na Mesopotâmia, tendo sido derrotado pela invasão dos persas, com o rei Ciro II. Essa história também aparece nos cânones bíblicos, de forma que a Bíblia representa um documento histórico importante para a compreensão da história mesopotâmica.

Assírios

Ainda, é importante mencionar que, entre os dois impérios babilônicos, um povo passou pela região entre o Eufrates e o Tigre. Os assírios ficaram marcados pelo forte caráter guerreiro, já que estiveram envolvidos com batalhas muito sanguinárias.

Sociedade e cultura na Mesopotâmia

Como já foi citado, a Mesopotâmia é uma região e não uma sociedade. Apesar disso, os povos que passaram pelo espaço possuem algumas características sociais, econômicas e culturais semelhantes.

  • A religião era, em geral, politeísta;
  • A sociedade, dividida em castas, sem possibilidade de transitar entre um estrato social e outro;
  • A economia voltada para a agricultura, pastoreio de animais e comercialização dos produtos excedentes; e
  • As decisões políticas estavam centradas em torno de um soberano, que era chefe também da religião e do exército.

+ Veja também: Antiguidade clássica: histórico, o que é e quais os povos

Questão do Enem

Enem 2020 

Sexto rei sumério (governante entre os séculos XVIII e XVII a.C.) e nascido em Babel, “Khammu-rabi” (pronúncia em babilônio) foi fundador do I Império Babilônico (correspondente ao atual Iraque), unificando amplamente o mundo mesopotâmico, unindo os semitas e os sumérios e levando a Babilônia ao máximo esplendor. O nome de Hamurábi permanece indissociavelmente ligado ao código jurídico tido como o mais remoto já descoberto: o Código de Hamurábi. O legislador babilônio consolidou a tradição jurídica, harmonizou os costumes e estendeu o direito e a lei a todos os súditos.

Nesse contexto de organização da vida social, as leis contidas no Código citado tinham o sentido de:

a) assegurar garantias individuais aos cidadãos livres.

b) tipificar regras referentes aos atos dignos de punição.

c) conceder benefícios de indulto aos prisioneiros de guerra.

d) promover a distribuição de terras aos desempregados urbanos.

e) conferir prerrogativas políticas aos descendentes de estrangeiros.

A alternativa correta é a letra B porque no contexto da antiguidade mesopotâmica, as regras e leis tinham o objetivo de padronizar e documentar as punições empregadas contra os infratores. O Código de Hamurabi, em especial, tinha a função de deixar os castigos proporcionais aos crimes. 

Estude para o Enem com a Coruja!

Além de aulas, materiais em PDFs, aulas gravadas e trilhas estratégicas para te ajudar nos estudos, a Coruja te dá a garantia da satisfação. Conheça nossos cursos, simulados e livros, basta clicar no banner abaixo. 

Confiamos no nosso trabalho, por isso, você tem 30 dias para testar e aprovar os conteúdos da plataforma. Se não gostar, te garantimos seu dinheiro de volta. Não perca essa oportunidade e seja um estrategista!

EV - CTA Campanha Volta às Aulas - Último Lote

Veja também:

Você pode gostar também